pirataria

5 riscos que a pirataria representa para os empreendedores

Os riscos da pirataria vão além dos danos gerados ao cliente final, que consome um produto falsificado ou utilizado ilicitamente. Qualquer empresa também pode ser prejudicada de diversas formas, especialmente com queda nas vendas e percepção negativa dos seus produtos.

Para evitar essa prática, é importante estar atento aos métodos de combate a ela, às novas tecnologias de proteção de bens e buscar realizar campanhas de conscientização.

A diante separamos alguns dos riscos que ela pode trazer ao seu negócio, bem como formas de se proteger. Não deixe de conferir!

O que é a pirataria?

Pirataria corresponde à prática de copiar, reproduzir ou vender produtos sem a devida autorização de seus proprietários ou desenvolvedores. É considerada crime, podendo gerar multas e anos de reclusão.

Quais são os riscos da pirataria para o negócio?

A seguir, separamos uma lista com 5 dos principais riscos da pirataria para o seu negócio e como eles se manifestam. Confira:

1. Perdas financeiras e diminuição das vendas

Segundo dados do presidente do Fórum Nacional Contra a Pirataria e Ilegalidade (FCNP), Edson Vismona, só em 2015 o Brasil teve prejuízos de cerca de R$ 115,603 bilhões com a pirataria. E isso sem mapear alguns setores, como o automobilístico.

Isso é um problema para as organizações, as quais perdem quantias consideráveis de receitas por causa de itens piratas que custam valores inferiores aos produtos originais. Aliás, o impacto pode ser grande, dificultando até mesmo a recuperação do capital investido no desenvolvimento das mercadorias.

2. Experiência insatisfatória dos consumidores

Nem todos os consumidores são bem informados quanto aos produtos que adquirem e muitos, inclusive, podem acreditar que estão levando para casa itens originais da sua empresa, quando na verdade são versões falsas.

Em decorrência disso, qualquer experiência insatisfatória ou negativa no uso dessas mercadorias não identificadas como piratas, poderá levá-los a crer que a sua empresa é responsável e faz bens de consumo de baixa qualidade.

3. Queda nas vendas por conta da percepção negativa

A percepção errada sobre a empresa também pode gerar marketing negativo em relação à marca e seus produtos, ocasionando uma queda mais acentuada nas vendas.

O motivo é que esses clientes afetados podem não mais comprar itens da sua organização e ainda relatar suas experiências insatisfatórias a conhecidos, de modo que esses também evitem fazer negócios com sua empresa.

4. Baixa segurança e danos à saúde do cliente que reverberam na marca

Produtos piratas podem causar danos à saúde, além de colocarem em risco a segurança dos consumidores.

Por exemplo, há remédios que são feitos com substâncias proibidas pelos órgãos de fiscalização, podendo causar sérios problemas à saúde das pessoas. Óculos de sol falsificados também têm chances de ocasionar problemas aos olhos, como descolamento de retina, por não passarem por padrões mínimos de qualidade das agências reguladoras.

Embora alguns causem problemas isolados que podem ser atribuídos ao fato de serem piratas, muitos produtos do tipo são usados em conjunto com itens originais. É o caso de pastilhas e rolamentos para carros, incluídos junto às demais peças dos automóveis.

Caso algo negativo ocorra a um veículo que faz uso desses itens, a culpa pode recair na montadora. Sem falar que elas afetam diretamente a segurança dos motoristas, já que são usadas nos freios e rodas.

5. Problemas legais com outras empresas

O quinto risco que separamos não está ligado tanto aos produtos da empresa, mas ao uso de produtos piratas em suas operações.

É preciso evitar que seu empreendimento também seja conivente com produtos falsificados ou, especialmente, com o uso de programas não licenciados. Esse segundo ponto é algo comum em muitos negócios que não dão a devida atenção à área de TI e não possuem uma eficiente gestão de ativos de software.

Tal prática pode gerar multas e processos judiciais por violação de direitos autorais, facilitar ataques virtuais e diminuir a eficiência dos processos suportados por TI devido a softwares lentos e instáveis.

O que um empreendedor pode fazer para evitar a pirataria?

Existem ações que ajudam a prevenir e combater produtos falsificados, muitas das quais devem ser postas em prática, preferencialmente, de forma conjunta para potencializar seus resultados. Veja algumas:

Use código de barras em suas mercadorias

A primeira atitude que o empreendedor deve ter é buscar tecnologias que protejam seus produtos, como o uso do código de barras.

Por meio dela, você pode otimizar o cadastro de cada produto e obter uma numeração que confirma que ele é fabricado no Brasil, além de entregar uma licença que dá direito a codificar informações de suas mercadorias. Isso possibilita o controle de especificação, descrição, armazenamento e logística de cada produto cadastrado.

Dessa forma, as entidades de fiscalização não terão dificuldade em identificar e separar suas mercadorias das cópias falsificadas, podendo apreendê-las mais facilmente.

Empregue soluções de DRM nos produtos virtuais

Outra dica é o uso da solução chamada Digital Rights Management (DRM), ou Gestão de Direitos Autorais, muito empregada em produtos digitais. Ela ajuda a garantir os direitos autorais dos desenvolvedores sobre ativos virtuais, dificultando a disseminação de réplicas e cópias ilegais.

Procure entidades que atuam contra a pirataria

Também é importante procurar entidades do seu setor de atuação, como associações e organizações governamentais, que realizem ações contra a pirataria para se informar de atitudes que ajudam a reduzi-la em seu segmento. Como exemplo, temos a Associação Brasileira de Combate à Falsificação (ABCF) e o já citado Fórum Nacional Contra a Pirataria e Ilegalidade (FCNP.

Busque realizar ações de conscientização

O consumo de pirataria no Brasil ocorre em grande parte por fatores culturais, pois muitos indivíduos a aceitam por conta do chamado “jeitinho brasileiro”. O preço menor e o desconhecimento dos seus impactos também corroboram para isso.

Portanto, é importante tentar realizar ações de conscientização e informar sobre os impactos negativos dessa prática, visando fomentar uma mudança cultural.

Buscar parcerias para isso ajuda a potencializar essa prática, já que la exige maior empenho e participação de empresas e sociedade civil. As entidades citadas na dica acima geralmente fazem projetos do tipo, incluindo ações de combate à pirataria, então é interessante procurar participar delas.

Implante uma gestão de ativos de software

Para evitar problemas por conta de funcionários usarem programas não licenciados, é importante implantar uma gestão de ativos de software. Ela corresponde a práticas, métodos e soluções empregadas para monitorar onde estão localizados os programas adotados pela empresa, quem os utiliza e como foram configurados. Também busca checar o uso deles.

É importante também acompanhar o mercado constantemente, visando identificar se seus produtos estão sendo pirateados para, desse modo, poder agir o quanto antes para conter esse problema.

Quer receber mais conteúdo como esses sobre os riscos da pirataria? Siga a gente nas redes sociais (Facebook, Twitter, LinkedIn, Google Plus) e fique por dentro de nossos próximos posts!

Postagens relacionadas
Entenda para que servem os diferentes tipos de nota fiscal eletrônica
O que é automatização de processos e quando e como iniciar?
O que é automatização de processos, quando e como iniciar?
lote
Conheça as 7 melhores práticas para efetuar o recolhimento de lote
Etiquetas de produtos: o passo a passo para produzir
Etiquetas de produtos: o passo a passo para produzir
5 vantagens da automação para o pequeno varejista
5 vantagens da automação para o pequeno varejista

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Seu nome*
Sua página da Web