Saiba como funciona o registro do código de barras

Saiba como funciona o registro do código de barras

O código de barras é amplamente utilizado e está presente em praticamente todos os produtos. A principal vantagem disso é que a ferramenta ajuda no processo de identificação e facilita operações como estoque, separação de pedidos e vendas.

No post de hoje, vamos falar sobre como funciona o registro do código de barras. Quer saber mais sobre o assunto? Então acompanhe!

O que é e para que serve o registro do código de barras?

O código de barras é uma representação gráfica dos números que ficam localizados logo abaixo das barras. Elas consistem em traços pretos e brancos, que, na realização da leitura, absorvem e refletem a luz do scanner.

Essa combinação entre barras e números, chamada de GTIN, é formada, em grande parte, por meio da utilização do padrão EAN-13, que possui 13 dígitos em sua estrutura.

Cada item possui um código único e isso também reflete no SKU (Stock Keeping Unit), ou seja: produtos iguais, com quantidades comerciais diferentes, também possuem seu código específico. Com isso, podemos comparar o código de barras a um RG, já que ele é identificado em qualquer estabelecimento, mesmo fora do país.

Por que ele é tão importante?

Além da identificação dos produtos, o que facilita as relações comerciais, o registro do código de barras:

Ajuda a combater a falsificação

A falsificação de produtos foi aprimorada de tal forma que, em alguns casos, é difícil diferenciar qual é o verdadeiro sem que antes sejam realizados vários testes. E, mesmo que haja um grande esforço em barrar esses produtos, eles acabam sendo comercializados.

Nesse sentido, a utilização do Padrão GS1 se torna um excelente aliado no combate à falsificação, já que ele possui uma identificação única para cada produto e fornece a possibilidade de rastrear e autenticar os itens, o que dificulta a entrada dos materiais falsificados.

Com isso, torna-se possível usar a rastreabilidade para que a procedência dos produtos seja comprovada, o que é uma necessidade de muitos setores, principalmente da área da saúde, em que o risco de se utilizar itens falsificados é muito alto.

Proporciona visibilidade

A visibilidade pode significar a possibilidade de acompanhar os níveis de estoque — quer seja de matéria prima disponível para a produção, seja a disponibilidade no varejo (incluindo o total contido nas gôndolas, no armazém, nos centros de distribuição e o que está em trânsito).

Isso ajuda a aumentar a eficiência no controle e a otimizar os processos, já que se torna possível acompanhar cada etapa e planejar quais serão os próximos passos.

Ajuda a praticar a sustentabilidade

A sustentabilidade tem sido cada vez mais explorada pelas empresas, principalmente em decorrência da necessidade de cuidar do meio ambiente e melhorar a imagem do negócio no mercado.

Nesse sentido, tanto a rastreabilidade quanto a visibilidade desempenham um papel fundamental: elas ajudam a controlar melhor a produção e a entrega dos produtos, o que permite fazer escolhas logísticas mais conscientes e acertadas.

Além disso, é essencial adotar iniciativas de gestão da logística reversa, tratamento de resíduos e reciclagem.

Proporciona maior segurança

Diante de tudo que foi dito, vale a pena ressaltar o aumento da segurança que se obtém ao utilizar o padrão global de rastreabilidade GS1. Isso se deve, principalmente, pela possibilidade de identificar a origem de cada produto e todo seu percurso até chegar ao consumidor final.

Como esse registro pode ser realizado?

A GS1 Brasil — Associação Brasileira de Automação oferece soluções com aplicação internacional e é a única entidade responsável por conceder a Licença para Codificação de Itens Comerciais. Para que o registro de código de barras seja feito, é necessário procurar a organização e realizar os procedimentos a seguir:

  • realizar o cadastro, informando os dados da empresa;

  • enviar a documentação necessária por Correios, e-mail ou fax;

  • efetuar o pagamento do boleto.

Depois que todas as etapas acima foram finalizadas, o restante do processo é de responsabilidade da GS1 Brasil, que concederá a licença para codificação. Isso é feito por meio de uma plataforma chamada Cadastro Nacional de Produtos (CNP), que será utilizada para a elaboração dos códigos referentes à sua empresa e aos produtos que você deseja registrar.

Documentação necessária para o registro

Como dissemos, o envio da documentação referente à empresa é necessário para dar início ao processo de registro. Porém, ela varia de acordo com a natureza do negócio. Confira, logo abaixo, uma lista com os mais variados tipos de negócio.

Pessoa Jurídica:

  • contrato Social e Última Alteração, com cláusula de gerência, determinando as pessoas autorizadas a assinar em sua representação;

  • escrituração Contábil Fiscal (ECF), registro Y540, último exercício ou Extrato Simples Nacional (última), comprobatório do valor declarado como faturamento anual da empresa;

  • CNPJ.

Empresário Individual:

  • declaração de firma individual ou requerimento do empresário;

  • escrituração Contábil Fiscal (ECF), registro Y540, Extrato Simples Nacional ou SIMEI (do último exercício), comprobatório do valor declarado como faturamento anual da empresa;

  • RG e CPF;

  • CNPJ.

Artesão/Produtor rural:

  • registro ou inscrição na entidade de classe competente;

  • comprovante de endereço;

  • declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) do último exercício, comprobatório do valor declarado como faturamento anual da empresa;

  • RG e CPF.

Pagamento das taxas

É preciso efetuar o pagamento do boleto referente às taxas cobradas. Além disso, uma anuidade é cobrada de acordo com o faturamento anual da empresa.

Quantidade de registros necessários

A quantidade de registros depende da variedade dos itens que a empresa possui. Como já foi dito, cada código é utilizado para identificar especificamente um produto.

Exemplo: se a sua empresa trabalha com unidades de vendas diferentes, mesmo que seja de um mesmo produto, é necessário criar um código para cada SKU.

Além disso, se a empresa possui uma variedade de 50 itens, por exemplo, deve-se criar um código para cada.

Como é possível ver, o registro do código de barras é fundamental em diversos aspectos, que vão desde melhorias operacionais até a segurança de que os produtos comercializados são originais e possuem procedência. O processo é relativamente simples e rápido.

E você: o que achou deste artigo? Suas dúvidas foram esclarecidas? Quer saber mais sobre o papel do código de barras no combate à falsificação de produtos? Então confira agora mesmo!

 

Postagens relacionadas
Como exportar produtos dentro da lei?
O que é o código EAN e pra quê ele serve?
O que é o código EAN e pra quê ele serve?
A embalagem de produto muito além da função de transporte
O código de barras na embalagem de produto
Gestão de produtos: dando vida a um objeto

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Seu nome*
Sua página da Web