Banner de Exportação para PME'sPowered by Rock Convert

Empresas precisam de tecnologia e ideias para crescer. Talvez seja por isso que a automação e tendências de lançamento de produtos vêm sendo assunto frequente no mundo corporativo. Nesse novo modelo de mercado, há as empresas que se dedicam a aprimorar as soluções já oferecidas pelos avanços da informática e as que aproveitam essas inovações para crescer em seus nichos.

Entretanto, quando falamos em mercado, lidamos com pessoas. Todos sabemos que o ser humano está longe de ser uma ciência exata: ideias, conceitos e hábitos mudam a todo momento. É essa questão que faz do tema uma variável relativamente complexa. Se você deseja entender melhor sobre as tendências atuais, continue lendo. Preparamos este post especial sobre o tema.

Evolução e crescimento do mercado

Para entendermos melhor em que consistem as novas tendências, precisamos compreender o contexto mercadológico em que vivemos. O ato de lançar novos produtos no mercado engloba uma série de fatores, entre os quais está a confiança do empresário em investir. Qualquer alteração na economia, portanto, tem influência sobre o fato de as empresas se sentirem seguras para lançar seus produtos. Isso reflete diretamente nas tendências de lançamentos.

Quando o mercado não está bom, normalmente os empresários tendem a postergar o lançamento de seus novos produtos. Por outro lado, assim que surge a estabilidade, é comum que eles voltem à ativa e assim aconteça um crescimento no número de novos produtos, tudo isso influenciado pela confiança do empresário.

Mensuração dos índices do mercado

Uma das formas de medir esse indicativo é por meio do acompanhamento da atividade industrial em nosso país. Para isso, utilizamos as solicitações de códigos de barras. Cada nova numeração solicitada corresponde a um novo produto lançado no mercado. A vantagem desse termômetro é que ele não se resume apenas aos lançamentos de grandes empresas: até mesmo um artesão que vai lançar um doce de leite caseiro precisa de um código de barras e, consequentemente, entra na contagem.

Podemos dizer que tal fator engloba toda a indústria de transformação. É possível identificar até mesmo algumas questões do setor automobilístico, já que existem peças de veículos, componentes e aparelhos que também têm código de barras. Nesse caso, os índices da ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) ajudam a complementar os estudos. O indicador de produção do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) também pode ser usado como um importante indicador.

Os números da GS1 têm relação muito próxima com os do IBGE e tal fato é estatisticamente comprovado. Se considerarmos também os números da ANFAVEA, essa complementação se torna ainda mais evidente. Economistas que desejam utilizar dados para previsões de mercado podem consultar essas três fontes e confrontar as informações obtidas. Dessa forma, como os veículos não têm código de barras, é possível analisar o mercado automobilístico a partir do registro das peças.

Principais tendências de lançamento

A GS1 atua em 7 estados distribuídos por todas as regiões brasileiras e que abrangem empresas dos mais variados setores. Se compararmos os resultados das regiões Sul e Sudeste de julho a agosto, podemos dizer que houve um crescimento. Além disso, se considerarmos os resultados do ano, a região que mais se destaca no lançamento de produtos é a Centro-Oeste, que está com um índice de 0-4, comparado ao mesmo período do ano passado. Podemos dizer que o crescimento anual nacional foi de 16,3%, de janeiro a agosto.

Se considerarmos estado a estado, podemos dizer que o Rio Grande do Sul teve crescimento considerável em relação a agosto de 2017. O índice registrado em 2018 foi de 43% em relação ao ano anterior. O Rio de Janeiro também teve destaque, embora não se possa dizer ao certo qual dos 7 estados que acompanhamos foi o melhor em relação ao crescimento.

O que acontece é que, nesta época, muitas indústrias estão se preparando para o final de ano. Isso faz com que haja, naturalmente, um crescimento no lançamento de novos produtos. Os produtos sazonais voltados para o Natal e Ano Novo ajudam a explicar a alta nos índices de lançamento no período que vai de junho a agosto.

Entre os setores que mais tiveram destaque nesse cenário, podemos citar a indústria têxtil e de vestuário. Se compararmos ao acumulado do ano, podemos dizer que ainda está um pouco abaixo em relação a 2017, mas a recuperação nos últimos meses vem sendo satisfatória. Além disso, também temos acesso a dados dos setores de bebidas, alimentos, acessórios e produtos diversos. Consideramos essas divisões de setores com base em dados obtidos no CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas). Isso permite mensurar o crescimento por setor, e não dos produtos isolados.

Perfis de consumidores

Como dissemos acima, lidar com o fator humano pressupõe estar preparado para diversas mudanças. O estudo dos hábitos de consumo também é importante, já que mostra quais as tendências que o consumidor deseja ver nas prateleiras. Além disso, também aconteceram mudanças nos canais que as pessoas costumam utilizar para fazer suas compras e é evidente que as exigências em relação à qualidade estão aumentando.

Embora as compras presenciais ainda representem os índices mais significativos, existem consumidores que acreditam que as lojas físicas são tão válidas para comprar quanto os canais online. E, é claro, existe uma parcela que tem preferência pelas compras via internet. Isso reflete também as mudanças em nossas rotinas e ritmo de vida.

Preparação para exportação

Além da preocupação em lançar produtos que apresentem uma boa aceitação no mercado brasileiro, alguns empresários pensam ainda em exportar seus lançamentos. As análises de mercado, nesse caso, devem ir além, buscando conhecer também o contexto dos países com os quais se pensa em negociar, afinal, pode ser que haja grandes diferenças na aceitação do seu produto de um país para outro.

Também, é necessário considerar os trâmites para exportação com esses mercados e de que forma é possível conseguir dados que permitam o acesso a tais informações. Quando falamos em mercados exteriores, é necessário ter cuidado redobrado, já que pode não ser possível acompanhar tão de perto quanto acontece em nosso país.

Como se pode ver, a automação e tendências de lançamento de produtos podem ser mensuradas por índices que têm o objetivo de nortear as ações futuras de empresários no mercado.

Se este post foi útil para você, não deixe de compartilhá-lo em suas redes sociais.

Banner para o Guia da Negociação: Como fechar mais negócios e otimizar seu resultadoPowered by Rock Convert