Como adequar minha empresa para os padrões internacionais de comércio?

Toda empresa que quer permanecer no mercado e crescer com sustentabilidade não pode ignorar o mercado externo. Exportar é uma maneira de ampliar a base de clientes e ganhar segurança em meio às oscilações da demanda no mercado interno. Portanto, se a sua empresa decidiu aproveitar as oportunidades trazidas pela exportação é imprescindível que ela esteja adequada aos padrões internacionais de comércio.

Eles são importantes porque garantem a segurança e a qualidade dos produtos e serviços. Além disso, facilitam o comércio internacional e contribuem para melhorar o ambiente em que vivemos. Padrões internacionais são ferramentas estratégicas e diretrizes que auxiliam as empresas a enfrentarem os exigentes desafios dos negócios modernos. Eles também ajudam as empresas a se tornarem mais eficientes e competitivas.

Como a adequação aos padrões internacionais beneficia as empresas?

Para a empresa, as principais vantagens de se adequar às normas internacionais são: a diminuição das reclamações dos clientes, a redução dos custos operacionais e o aumento da demanda por seus produtos e/ou serviços.

Para se adequar aos padrões internacionais, a empresa se vê na obrigação de otimizar seus sistemas e processos, e o resultado imediato disso é a redução dos custos. Ao melhorar a segurança e a qualidade de seus produtos e/ou serviços, a satisfação de seus clientes aumenta consideravelmente e isso representa mais negócios para você.

Os padrões internacionais podem determinar tanto as características específicas de um produto (tamanho, forma, funções, desempenho, embalagem) quanto às normas do processo produtivo, garantindo, assim, que haja uma compatibilidade de produtos e/ou serviços. Dessa forma, a empresa estará apta a ganhar acesso a novos mercados.

Como adequar a empresa aos padrões internacionais de comércio?

Para se adequar aos padrões internacionais, sua empresa terá que atender a 5 critérios. Eles estão diretamente relacionados aos aspectos chave de qualquer negócio: qualidade, apresentação do produto e/ou serviço, contabilidade, competitividade e presença digital. Confira a seguir as especificidades de cada um desses aspectos.

Qualidade

O sistema de qualidade da empresa deve estar expresso em um manual de qualidade e todos os processos devem ser documentados. Um sistema que impeça a recorrência de problemas deve ser criado e implementado.

É fundamental promover o treinamento e o desenvolvimento dos colaboradores, especialmente quanto ao sistema de qualidade, que deve ser inspecionado internamente e por meio de auditorias de qualidade frequentes.

Apresentação do produto e/ou serviço

Produtos e serviços devem apresentar desempenho, confiabilidade, conformidade, durabilidade, aparência, atendimento, características acessórias e qualidade percebida.

A forma como cada produto e/ou serviço atenderá a cada uma dessas dimensões da qualidade é específica ao produto, mas é importante que sua empresa esteja ciente da importância de incorporá-las ao seu produto ou serviço.

Para se adequar aos padrões internacionais, você terá que adaptar fórmulas, embalagens, dados sobre a fabricação, informações de uso e de validade, entre outras informações que atendam às exigências dos padrões internacionais.

Seus produtos estarão sujeitos a normas de qualidade, que definem parâmetros de fabricação e, em alguns casos, a normas sanitárias que garantam a salubridade do produto e a saúde da comunidade.

Esteja atento, também, às exigências em relação às embalagens. Pode haver, por exemplo, limitação de uso de alguns materiais na sua confecção e se houver qualquer detalhe fora da normalidade, isso pode prejudicar a exportação do seu produto.

Além da apresentação do produto e/ou serviço, você deve levar em consideração as ações pós-venda no seu plano de exportação, como sistema de garantia, assistência técnica, manutenção e reposição, atualização e upgrades, sistema de SAC e relacionamento com clientes.

Contabilidade

A adoção da padronização de procedimentos e documentos contábeis facilita as negociações entre as empresas e a compreensão dos cálculos financeiros.

Por essa razão, os relatórios e demonstrativos contábeis devem seguir as normas internacionais e serem facilmente compreendidos pelos investidores.

Ao preparar sua empresa para atender aos padrões internacionais de comércio, você precisa contar com uma equipe de contabilidade muito bem treinada, apta a aplicar as normas legais e orientar a organização.

Competitividade

A capacidade de manter a competitividade da sua empresa no mercado e a forma como você faz a gestão de sua presença digital também devem estar aderentes aos critérios dos padrões internacionais de comércio — assim como é fundamental o cumprimento das exigências ambientais e de responsabilidade social.

Aliás, um dos requisitos para que a empresa se mantenha competitiva é justamente sua capacidade de cumprir as exigências socioambientais: não utilização de trabalho escravo e de mão de obra infantil, respeito aos direitos trabalhistas, tratamento adequado dos resíduos da produção, redução do impacto ambiental de suas atividades, utilização de materiais de forma sustentável etc.

Todos os esforços devem ser empregados no sentido de reduzir a quantidade de resíduos e otimizar o uso de energia, cumprir as exigências legais e obter conformidade nos processos.

Presença digital

Por fim, a expansão da Internet e das redes sociais eliminou as barreiras entre as várias regiões do mundo promovendo o intercâmbio de ideias, produtos e serviços.

De que maneira isso afeta os padrões internacionais de comércio e a forma como sua empresa se adequa para entrar nesse mercado?

Por um lado, a disseminação das informações torna mais fácil a compreensão de como funcionam os mercados nos diferentes lugares do planeta, as características culturais de cada região e as necessidades dos consumidores em diferentes locais. Além disso, fica muito mais fácil divulgar o seu produto e/ou serviço.

Por outro lado, isso traz novos desafios. O principal deles é o de administrar a presença digital de sua empresa, construindo uma reputação ilibada diante dos consumidores.

Isso inclui, por exemplo, o seu posicionamento diante de questões mundiais: saber quando e como se manifestar diante dos acontecimentos é fundamental em um momento em que a opinião pública tem o poder de causar grandes prejuízos às empresas, promovendo o boicote das pessoas aos seus produtos ou serviços.

Como se preparar para realizar essa adequação?

Diante da necessidade de cumprir com esses cinco aspectos, é importante que a empresa saiba como se preparar para atender exatamente a essas questões específicas.

É a partir desse preparo que a atuação adequada aos padrões internacionais de comércio fica mais fácil e, principalmente, mais assertiva. Além disso, agir de maneira estruturada tem a ver com a obtenção do máximo de resultados, trazendo eficiência e boa utilização de recursos.

Nesse sentido, alguns dos pontos que devem ser considerados incluem:

Atendimento às leis e à burocracia internacional

Para aumentar a segurança dos consumidores de produtos importados e para garantir que todos saiam ganhando com essas trocas comerciais, toda região de comércio internacional possui leis e burocracia específicas a esse respeito.

É preciso, por exemplo, fazer uma identificação correta por parte de uma tabela de produto para facilitar e, mesmo, autorizar o processo.

Dentro do MERCOSUL é utilizada a Nomenclatura Comum do MERCOSUL (NCM), que nada mais é do que um sistema de classificação. Outros lugares podem exigir o uso do Sistema Harmonizado (SH), que é uma classificação internacional para a identificação de elementos.

Há, também, outras questões legais. Como dito, pode haver necessidades referentes às embalagens, à exclusão ou adição de um ingrediente na fórmula do produto e assim por diante.

Busca pela certificação internacional

Quando os padrões de processo e produção de uma empresa são devidamente certificados em relação à qualidade, há mais chances de haver atendimento dos padrões internacionais de comércio.

Como essa certificação é utilizada no mundo inteiro, tende a ser aceita sem grandes dificuldades em diversas partes do mundo.

É o caso de a empresa buscar uma certificação ISO 9001 para a produção e entrega do seu produto. Ao fazer isso, o posicionamento do empreendimento é positivo e, principalmente, o país que vai receber o item terá mais confiança em relação a todo o processo.

Como tudo é certificado, há a garantia de qualidade contínua, de modo a contribuir para a entrada do produto em outros mercados.

Uso do código de barras

A automação de tarefas é utilizada em praticamente todos os mercados do mundo, já que gera economia e melhores resultados. Se o seu produto vai ficar exposto no varejo, por exemplo, é necessário que o vendedor possa manejá-lo de maneira automatizada.

Para tanto, o código de barras é uma ferramenta extremamente útil. Ele garante o registro adequado da entrada no processo de exportação/importação, além de servir para atender a questões burocráticas internacionais.

Ao mesmo tempo, não é todo lugar ou setor que usa o mesmo código. Embora o EAN-13 seja o mais utilizado em todo o mundo, ele não é a escolha de países com os Estados Unidos e Canadá.

Na hora de vender para esses países é necessário utilizar o UPC-12, que tem um dígito a menos. Isso tem a ver com a padronização interna desses países — e utilizar o código de barras adequado é indispensável para conseguir fechar negócio.

Contratação de profissionais especializados

Qualquer empresa que deseje ter sucesso na tarefa de exportar seus produtos deve pensar em criar um setor exclusivamente dedicado a essa função. Isso torna mais simples o ato de reconhecer as necessidades específicas de cada mercado e atuar de forma a criar processos que atendam a todas elas.

Porém, mais importante do que pensar na execução do processo em si é levar em consideração o atendimento de tais padrões. Sendo assim, o ideal é contratar profissionais especializados para assessoria, em vez de apenas para a execução.

Tenha em sua empresa pessoas especializadas em cada mercado que você pretende explorar e garanta que eles entendam completamente as questões ligadas a normas técnicas e às barreiras de comércio.

Embora isso possa parecer um custo adicional, é uma decisão que aumenta a robustez de atuação e favorece ao atendimento de condições específicas a respeito da troca comercial.

Consideração das necessidades de outros mercados

Cada mercado possui características únicas a respeito de seu funcionamento. Um país tem maior interesse nas características de um determinado produto, enquanto outro é mais voltado para aproveitar outro item.

Entender de maneira ampla essas necessidades é uma forma de se preparar para atender aos padrões internacionais de comércio, já que eles têm como um dos objetivos suprir essas necessidades.

Assim, estudar o mercado e conhecer hábitos, padrões e influências são ações úteis para gerar um melhor atendimento às questões legais.

Busca de atualização tecnológica

Os padrões internacionais de comércio não têm o propósito de serem simples, mas, sim, de serem eficientes. O principal objetivo da existência das normas é garantir a segurança e a compatibilidade em relação ao mercado de destino, de modo que todos saiam ganhando com a troca comercial.

Diante de processos robustos e integrados, a empresa precisa se preocupar com a tecnologia. É ela que vai garantir melhor integração de informações, de modo a facilitar a execução de tarefas que não são tão simples quanto parecem.

Por isso, uma das formas de se preparar para atender a esses padrões, é, justamente, buscando atualização tecnológica. Além de isso ter a ver com a certificação internacional, é uma forma de melhorar o controle e a execução de tarefas, de modo a gerar os efeitos esperados.

Acompanhamento de normas técnicas

Buscando mais segurança e melhores resultados para a própria atuação, não é incomum que um país modifique as normas técnicas estabelecidas para um determinado produto e/ou país.

Para ilustrar, a explosão da operação da Polícia Federal a respeito da carne brasileira exportada provocou e, provavelmente, levará a novas modificações de padrões e exigências. Isso porque, diante de um episódio em que houve ameaça de segurança, os países buscam proteger a si e a seus consumidores.

Com isso, é fundamental ficar de olho em normas técnicas, suas exigências e as respectivas atualizações. Com as mudanças, a sua empresa pode não mais ser elegível a um determinado mercado, exigindo uma atuação rápida.

Porém, ao acompanhar de perto todas essas atualizações é possível identificar e prever ações do mercado, agindo de modo a deixar o produto mais robusto e com maiores chances de não sofrer o impacto das modificações.

Gostou das nossas dicas? Agora que você já sabe como adequar sua empresa aos padrões internacionais de comércio, compartilhe este artigo nas suas redes sociais e deixe mais gente sabendo sobre o tema!

 

Postagens relacionadas
7 passos para gerar valor agregado na produção manufatureira
7 passos para gerar valor agregado na produção manufatureira
Melhores práticas para o gerenciamento de equipe remota
Melhores práticas para o gerenciamento de equipe remota
Saiba definir os canais de distribuição do seu produto
Recall de produtos: o código de barras para facilitar o processo
CMV
CMV: aprenda a calcular o custo de mercadorias vendidas

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Seu nome*
Sua página da Web