7 coisas para saber sobre código de barras antes de começar a exportar

Um dos indícios de que uma empresa está colhendo bons resultados em suas ações é a entrada em novos mercados, principalmente no exterior. Afinal, conseguir se adequar às regras de outros países demonstra comprometimento e busca pela excelência. 

No entanto, normalmente a exportação é um processo bastante complexo que exige preparação para garantir que tudo seja entregue conforme o acordado com o cliente. Afinal, existem normas bem detalhistas que exigem cuidados extras nas vendas.

Embora cada país tenha suas próprias formas de fazer comércio, a padronização internacional de alguns pontos já acontece, como é o caso do código de barras.

Sendo assim, é fundamental utilizar essa ferramenta na hora de exportar e garantir facilidade de venda para o seu cliente. Separamos no post de hoje 7 coisas que você precisa saber antes de começar a exportar! Acompanhe e fique por dentro!

1. Saiba como funciona o código de barras

O primeiro aspecto para você entender sobre o código de barras está ligado justamente ao seu funcionamento. Basicamente, ele atua como um identificador a partir de uma sequência numérica, que guarda informações sobre o produto de maneira geral.

Ele pode ser usado tanto internamente — dentro da cadeia de suprimentos do negócio —, como externamente, que é o que acontece nos pontos de venda, inclusive em outros países.

As principais funções do código de barras são acelerar o processo de vendas e faturamento e, também, aumentar a segurança tanto de quem vende como de quem compra.

Para que isso seja possível, é fundamental adquirir o código de barras com uma empresa que seja referência no assunto. Dessa forma, você garante a leitura adequada dos números em qualquer lugar do mundo. 

Na prática, são 13 números conhecidos como EAN — exceto para alguns países que adotam 12 dígitos, como veremos logo mais.

Os 3 primeiros descritos no código de barras descrevem o país de origem do produto que está sendo exportado, ou seja, o local onde foi gerado. No Brasil, o número é 789.

Na sequência, há 6 dígitos que revelam a empresa que fabricou a mercadoria, seguido por 3 números que apontam as características do produto, como altura, peso, largura, data de fabricação e validade. 

O último número apresentado é o dígito verificador, responsável pela comprovação da sequência numérica.    

Dessa maneira, o código de barras é um verdadeiro RG dos produtos, trazendo informações relevantes que auxiliam ambas as partes no processo comercial, garantindo não só a qualidade como também todas as obrigações fiscais em relação aos países envolvidos na transação econômica.    

2. Descubra como é a gestão do código de barras

No entanto, para que o funcionamento possa acontecer adequadamente, respeitando todas as normas preestabelecidas, é fundamental que ocorra uma gestão adequada do código de barras.

Nesse sentido, você precisa se preocupar, por exemplo, com a geração do número para cada produto. Uma vez criado, o código não pode ser alterado. Por essa razão, deve ser bem administrado ao longo da vida útil do produto dentro do ciclo de vendas. 

Afinal, é por meio da numeração que o cliente saberá exatamente as características do que está sendo adquirido, garantindo a qualidade que refletirá na satisfação do seu mercado consumidor — por isso, tudo precisa ser seguido à risca.  

Outra questão importante diz respeito à união do código de barras a um software que contenha as devidas informações do produto, afinal, a ferramenta só é verdadeiramente útil se servir para informar sobre o item em questão.

Além disso, é preciso se preocupar com a impressão da imagem do código em si, que deve ser feita com equipamentos e softwares adequados.

3. Conheça os tipos de códigos de barras

Dependendo do produto a ser comercializado e da região onde é vendido, há preferências sobre os tipos de códigos de barras a serem utilizados. O EAN/UPC é o mais famoso deles e é utilizado para leitura diretamente no ponto de vendas.

Já o DataBar possui um tamanho reduzido e é especialmente útil para objetos de dimensões menores, além de itens alimentícios, como frutas e verduras.

O QR Code, por sua vez, é um código bidimensional que vem ganhando cada vez mais popularidade. Isso ocorre porque ele pode ser lido por aplicativos específicos diretamente de dispositivos móveis.

Porém, quando o assunto é exportação, é ainda mais importante entender os tipos usados para cada região. Nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Nova Zelândia, por exemplo, é utilizado o UPC de 12 dígitos.

Já para países da Europa é adotado o EAN (European Article Number) de 13 dígitos, mais conhecido como EAN-13.  

Com isso, é importante conhecer o que diz a legislação de venda de produtos em cada região que você pretende exportar, de modo a garantir a correta adaptação dos produtos.

Ao cadastrar os seus produtos no código EAN-13 haverá uma garantia de venda tanto nas exportações quanto em marketplaces, evitando problemas corriqueiros que pegam muitos empresários de surpresa.

4. Veja a quantidade de códigos de barras necessária

Uma dúvida frequente sobre o uso de código de barras é a quantidade. Basicamente, cada um serve para identificar um produto, então, tudo depende do quanto você comercializa.

Se você exporta 20 produtos diferentes para os Estados Unidos, por exemplo, vai precisar de 20 códigos de barras do tipo UPC de 12 dígitos.

Além disso, tudo vai depender do uso que você pretende dar. Além do PDV, também é importante considerar a identificação interna de lotes de produtos, que leva à necessidade de mais um código. 

Trata-se da identificação interna dos lotes, deixando tudo bem claro para quem vende e compra, ou seja, quanto mais transparência houver no processo, melhores serão os resultados da parceria com o seu novo mercado externo. 

5. Aprenda a implantar o sistema de código de barras

Para implantar essa solução altamente necessária, tudo começa com a aquisição do código de barras junto a uma entidade respeitável e que tenha autoridade no assunto.

Depois, você deve fazer o cadastramento de produtos de modo a permitir que haja a geração do código correspondente.

Durante o processo, também é necessário fornecer documentos de identificação da empresa, como o CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) e o Contrato Social. Uma vez implementada essa solução, parte-se para a gestão adequada desses códigos. 

6. Veja a importância do código de barras

Por gerar uma padronização da identificação, a ferramenta é de extrema importância, especialmente para a exportação. De uma forma geral, isso significa que o código de barras de um produto vendido do outro lado do mundo e o que é comercializado no Brasil apresentam as mesmas informações. 

Outra questão referente à importância do código de barras diz respeito ao fato de que são especialmente essenciais para garantir a visibilidade em todo o processo de vendas, desde quando o produto ainda está na empresa até quando chega ao cliente final.

Assim, há uma facilitação e um ganho de segurança no processo de venda, especialmente em se tratando de exportação. 

Podemos afirmar que a implantação do código de barras contribui com o aumento no faturamento das empresas, auxiliando ainda na gestão das corporações, sejam elas pequenas, médias ou grandes — isso porque a automação assume o controle dos processos, fazendo com que as informações geradas pelas vendas cheguem rapidamente a diversos setores, como estoque e financeiro. 

Com isso, o seu negócio terá dados relevantes para realizar novas aquisições ou até mesmo para frear determinada compra de matéria-prima, revelando um aspecto importantíssimo na redução de custos ou perdas de materiais. 

Dessa maneira, você poderá otimizar melhor o tempo, com mais produtividade, tendo uma resposta positiva no faturamento mensal, isto é, a gestão fica mais profissional e inteligente, destinando mais competitividade à sua empresa.   

7. Fique por dentro do uso do código de barras no produto

De modo a garantir que tudo ocorra como o esperado, você vai precisar definir corretamente o local onde o código de barras será apresentado no produto.

Se o seu item possui uma embalagem primária ou secundária, ele deve ficar em lugar visível e acessível para registro no PDV. Ele pode ser impresso diretamente na embalagem ou colado com etiqueta.

Já no caso de produtos que usam o DataBar, o código de barras precisa ser inserido diretamente na mercadoria por meio de uma pequena etiqueta.

Diante disso, podemos afirmar que o esclarecimento das principais dúvidas e conhecimento das características mais importantes do código de barras são fundamentais para garantir uma exportação de qualidade.

Assim, você assegura que seu produto entre em outros mercados de maneira conveniente e padronizada. Além disso, o código de barras faz parte das estratégias de negócio e é essencial no planejamento de decisões mais assertivas. 

O código de barras é o seu cartão-postal 

Além da qualidade do produto a ser exportado, é preciso atender a todas as expectativas do mercado, que é cada vez mais exigente. Diante dessa realidade, o código de barras é um dos pontos que precisa de muita atenção por parte do gestor. 

Afinal, uma pequena falha pode comprometer muitas parcerias, afetando até mesmo a sua permanência em países mais promissores. Isso porque, muitas vezes, as vendas externas recebem valores maiores exatamente em razão do alto nível de exigências. Assim, um pequeno deslize pode minar as suas pretensões comerciais. 

Por isso, manter um padrão adequado em suas embalagens é uma premissa que deve permear o negócio, inclusive com uma devida conscientização dos colaboradores para que estejam atentos a todas as recomendações. 

Seguindo as nossas dicas sobre o código de barras e mantendo a credibilidade junto aos mercados interno e externo, certamente a sua empresa vai colher excelentes resultados, fazendo com que o sucesso alce voos altamente promissores.

E você, já conta com código de barras em seus produtos? Quer conhecer os nossos serviços? Então entre em contato conosco e desbanque a concorrência!  

Ebook código de barras

Postagens relacionadas
FCL e LCL: entenda o que significam no transporte de cargas
Comércio exterior: 7 passos para um e-commerce começar a exportar
Você sabe o que é rastreabilidade?
Qualidade de dados: o que é e qual a importância para negócios?
Saiba trabalhar a exportação para fugir da crise

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Seu nome*
Sua página da Web