Banner de Exportação para PME'sPowered by Rock Convert

A exportação de produtos é uma atividade essencial para o mercado. Ela é responsável por auxiliar no desenvolvimento econômico do país, assim como gerar grandes lucros para as empresas. De acordo com uma pesquisa realizada pelo instituto Nielsen Company, estima-se que até 2018, 4 bilhões de dólares poderão ser movimentados pelas empresas brasileiras que exportam produtos para o exterior.

\r\n

No entanto, apesar de a exportação ser uma excelente alternativa para expandir os negócios, alguns cuidados precisam ser tomados, a fim de evitar possíveis erros e, consequentemente, prejuízos financeiros. Por esse motivo, para que sua empresa não comprometa o sucesso dos negócios no comércio externo, confira quais são os principais erros referente à exportação de produtos.

\r\n

Não ter um planejamento

\r\n

O grande erro de muitas empresas é acreditar que os processos de exportação estão limitados a apenas enviar o produto até outro país. Além disso, é necessário cumprir etapas que são fundamentais para a realização da importação. Na maioria das vezes, é justamente essa falta de planejamento que compromete o negócio, impedindo a execução de metas e ações que possam satisfazer os interesses do comprador.

\r\n

Levando em consideração um mercado altamente volátil, com constantes oscilações do dólar, manter um excelente profissional na equipe é a melhor decisão que as empresas podem tomar, em especial, para aquelas que ainda não estão acostumadas com as armadilhas da exportação. Por esse motivo, contar com ajuda especializada pode ser uma estratégia eficiente. Além de ser útil principalmente para planejar as vendas e demais negociações, este profissional será responsável por obter orientações importantes sobre as reações de mercado estrangeiro.

\r\n

Escolher a logística e a embalagem de maneira inadequada

\r\n

O transporte e o tipo de embalagem são dois fatores muito importantes que precisam ser levados em consideração antes de exportar seu produto, já que o produto precisa chegar “inteiro” ao seu comprador, ainda que exista milhares de quilômetros pelo caminho. Por isso, embalar um produto com máxima segurança é prioridade para as empresas que exportam mercadorias. Vale lembrar que durante o percurso, o produto terá grandes chances de sofrer avarias ou demais danos, prejudicando a negociação e os próximos contratos de vendas.

\r\n

Entretanto, a escolha da embalagem precisa estar de acordo com a opção de transporte contratada. Em alguns casos, o transporte aéreo é a melhor alternativa para carregar mercadorias mais leves, caras e urgentes, não sendo necessário aderir a uma embalagem de madeira, uma caixa de papelão poderá oferecer a devida segurança.

\r\n

Em contraponto, outros tipos de transporte exigem atenção a alguns detalhes. O modal marítimo, por exemplo, é indicado principalmente para o transporte de mercadorias não perecíveis e de baixo custo referente a cargas de grande volume. Apesar da entrega demorar mais, existe uma maior segurança no trajeto.

\r\n

Para as pequenas cargas, recomenda-se optar pelo transporte rodoviário, além de ser entregue nas próprias mãos do comprador. Porém, para aproveitar fretes mais baratos e também transportar matérias-primas e mercadorias manufaturadas de baixo custo, o transporte ferroviário é a melhor escolha.

\r\n

Ignorar adequações e licenças 

\r\n

Cada país tem suas próprias regras com relação à exportação de produtos. Por esse motivo, não conhecê-las é um grave erro e que pode te custar muito caro. Para evitar conflitos com a fiscalização ou demais órgãos públicos, é válido fazer uma análise sobre as exigências de liberação aduaneira no país o qual pretende exportar, lembre-se que somente amadores tentam driblar as leis e acabam enfrentando sérias consequências por suas ações.

\r\n

Independentemente do país, é importante conferir com o comprador e demais contatos, quais são as restrições existentes. Além disso, não são apenas as mercadorias que podem ser impedidas de entrar em outro território, as embalagens também são elementos importantes que serão fiscalizados com detalhes. Uma empresa, que preza por sua credibilidade e lucros, necessita fazer essa avaliação com antecedência, somente assim agirá profissionalmente, evitando conflitos com os comércios exteriores.

\r\n

Não manter uma comunicação eficaz

\r\n

A distância não pode ser um obstáculo na hora de negociar com o mercado externo. Diversos acordos já foram anulados devido à ausência de uma comunicação clara e transparente, permitindo que os lucros sejam comprometidos. Para evitar esse problema, as organizações junto aos vendedores, precisam elaborar catálogos que forneçam as informações necessárias no idioma do país para o qual exportará.

\r\n

Além disso, o site da sua empresa também precisa ter uma tradução, desse modo, ele ficará acessível para outros compradores estrangeiros. Não se esqueça de também disponibilizar sua assinatura traduzida também, facilitando até mesmo o relacionamento com o mercado externo. Vale ressaltar a importância de manter um diálogo aberto e acessível, somente assim sua empresa terá mais chances de fazer novos negócios e atrair ainda mais interessados em seus produtos.

\r\n

Negociar com mal fornecedores

\r\n

Seus produtos são a garantia que sua empresa realizará os melhores negócios, incluindo as exportações para outro país. Entretanto, ainda que ofereça os melhores produtos e serviços, sua empresa não conseguirá se destacar diante de mal fornecedores, já que nenhum planejamento ou estratégia poderá sobreviver por muito tempo em mãos erradas.

\r\n

Muitas empresas amadoras são vítimas de profissionais ruins, por isso, são conseguem uma boa representação no exterior. Não se esqueça de que seus fornecedores são seus representantes, por isso, precisam ser escolhidos a dedo e com total responsabilidade.

\r\n

Não considerar a exportação de produtos uma prioridade

\r\n

Algumas empresas apenas recorrem à exportação como última saída para alavancar os negócios. Contudo, considerar a exportação como uma atividade secundária e apenas priorizar o mercado interno é um erro fatal, infelizmente, cometido por diversos empreendedores. Para reverter esta situação, cabe as empresas manterem as atividades de exportação como um dos focos principais, levando em consideração outras prioridades, como ter uma equipe com profissionais qualificados, com conhecimento de mercado e aptos a tomarem as melhores decisões de planejamento.

\r\n

Como mencionado neste artigo, as empresas que desejam inovar e evoluir em seus negócios devem aderir a exportação de produtos como alternativa rentável. Entretanto, evitar certos erros é de extrema importância para manter um relacionamento seguro e promissor com o mercado exterior. Através das nossas dicas, esperamos que você realize os melhores negócios no estrangeiro.

\r\n

Gostou do nosso artigo? Se você ficou com alguma dúvida, basta deixar seu comentário para que possamos te ajudar! 

\r\n

Guia de exportação PME

Banner para o Guia da Negociação: Como fechar mais negócios e otimizar seu resultadoPowered by Rock Convert