Entenda como funciona o código de barras

Em todos os produtos que consumimos, o código de barras está presente. Ele ajuda na sua identificação, otimiza processos da gestão de estoques, facilita o processo de vendas, entre várias outras questões. Contudo, apesar de ser tão comum, muitas pessoas não fazem a menor ideia de como funciona o código de barras. Pensando nisso, resolvemos criar este post e esclarecer diversos detalhes sobre o assunto. Saiba mais logo a seguir!

Qual é o conceito do código de barras?

O código de barras pode ser definido como uma representação gráfica de uma sequência de números que fica localizada logo abaixo dele. Cada produto possui um código diferente, o que faz com que ele funcione como uma identidade, ou seja, não existe o mesmo número para dois produtos diferentes.

A vantagem desse código é que ele pode ser identificado de forma ágil e com chance nula de erros. Essa identificação ocorre através de leitura óptica, feita por aqueles equipamentos utilizados em caixas de supermercado ou pelos coletores de dados (muito utilizados em operações de estoque), por exemplo. Caso o código não possa ser lido pelos aparelhos, é possível utilizar os números localizados abaixo das barras, visto que eles informam a mesma coisa, porém de forma diferente.

Afinal, como funciona o código de barras?

Como mencionamos, as barras são a representação gráfica do código numérico localizado logo abaixo. Porém, essas barras são uma representação gráfica de um código binário (1 ou 0) e seguem a mesma lógica da computação para formar esses dados. Sendo assim, cada traço — seja ele preto ou branco — equivale a um bit, e cada número daquele código é representado por sete bits. Quando uma barra é mais grossa quer dizer que, na verdade, ela é um somatório de vários traços da mesma cor.

Cada código de barras é dividido em 95 partes iguais, independentemente de serem brancas ou pretas. Lembra do código binário de que falamos acima? Os números 1 são referentes às faixas pretas, e os números 0, às faixas brancas. Sendo assim, quando um computador realiza a leitura, ele identifica quais colunas possuem ou não cor e atribui os números binários a essas variações.

O padrão utilizado para essa sequência é que dá sentido ao código. O número é formado por 15 seções, sendo que elas são divididas da seguinte forma:

  • Três formando os limites (início e fim) e o centro do código.

  • 12 restantes separadas em duas partes, sendo que elas ficam localizadas uma à esquerda e outra à direita.

O primeiro número localizado do lado esquerdo será sempre ímpar, enquanto o último (do lado direito) será sempre par. Quando um computador lê da esquerda para a direita, através dos códigos binários contidos nas barras, ele pode processar esse código de forma bem rápida e, assim, enviar as informações do produto para a tela.

Para que esse processo todo funcione, o código de barras possui um dígito verificador que é utilizado pelo computador para validar a leitura. Quando o scan é realizado, a máquina calcula se tudo deu certo pela captura dos números localizados abaixo do código de barras. O resultado desse cálculo é comparado ao dígito e, assim, se os dados estão corretos, a informação aparece na tela. Caso as informações sejam divergentes, um código de erro é informado.

Existe um padrão universal?

O sistema de código de barras foi criado em 1973 nos Estados Unidos. Originalmente, a sequência numérica possuía 12 dígitos. Já em 1976, a Europa acabou adotando o sistema, que foi adaptado para um padrão de 13 dígitos, posteriormente adotado por vários outros países.

Esse padrão europeu, chamado de EAN (número de artigo internacional, em português), só não é utilizado pelos Estados Unidos e Canadá, que ainda utilizam o código de barras no padrão UPC, que possui 12 dígitos. Entretanto, produtos comercializados e distribuídos por esses países para exportação precisam estar adequados ao padrão EAN.

Apesar disso, ainda existem alguns códigos de barra especiais, que podem ser formados por oito ou 14 dígitos. No primeiro caso, ele é utilizado para embalagens bem pequenas, enquanto no segundo caso é utilizado em embalagens (normalmente caixas de papelão) e serve para apontar a quantidade de itens acondicionados lá dentro.

O que os números representam?

Como afirmamos anteriormente, o código de barras no padrão EAN possui 13 dígitos. Todavia, esse número não é gerado aleatoriamente. Existe uma lógica por trás da numeração. Confira a seguir como funciona o código de barras na prática.

Etapa inicial

As três barras iniciais, duas pretas e uma branca no meio, servem para sinalizar que logo em seguida é descrito o código do produto em questão. Como as barras e seus números correspondentes não ficam bem alinhados, um número, normalmente o 7 (para produtos brasileiros), acaba aparecendo antes das três barras de sinalização.

Três primeiros números

Logo em seguida, mais especificamente os três primeiros números indicam o país em que o produto foi cadastrado. Cada país possui a sua combinação para identificação (como no caso dos códigos internacionais utilizados para fazer ligações, por exemplo). No caso do Brasil, o código de identificação é 789. Vale lembrar que esse código se refere ao país que o cadastrou, mesmo que o produto não tenha sido fabricado lá.

Segunda sequência de algarismos

O segundo bloco numérico serve para identificar a empresa que fabricou o produto. A sequência numérica pode variar de 4-7 dígitos, e esse número é fornecido pelo EAN, que realiza um controle rigoroso para que não haja distribuição de números iguais para fabricantes diferentes.

Terceira sequência numérica

O terceiro bloco de algarismos serve para fazer a identificação do produto. Essa sequência vaira de acordo com o tipo, a quantidade, a embalagem, o peso e o tamanho do produto. Ou seja, um mesmo produto que possui alguma dessas características diferente terá outro código. Por exemplo: o código de uma caixa de leite contendo um litro não é o mesmo da embalagem que possui 12 caixas de um litro.

Dígito verificador

Por fim, temos o dígito verificador — aquele que mencionamos mais acima, que serve para avaliar se a leitura do código foi correta, pelos cálculos (somando, dividindo, multiplicando) que o computador faz com o restante dos números pertencentes ao código.

Como podemos ver, o funcionamento do código de barras é bem mais complexo do que muita gente imagina. Envolve, inclusive, um órgão internacional e o controle rigoroso dos códigos distribuídos, para que não haja duplicidade de números direcionados a entidades e produtos diferentes.

Agora, que você já sabe melhor como funciona o código de barras, deixe-nos saber quais são suas opiniões sobre o tema. Suas dúvidas foram esclarecidas? O que achou deste artigo? Utilize os comentários e participe da conversa!

Postagens relacionadas
Rastreamento de produtos: 5 dicas para venda de medicamentos
Saiba o papel do código de barras no processo de entrega do produto
Saiba o papel do código de barras no processo de entrega do produto
O código de barras na embalagem de produto
Um detalhe mais fácil de implementar pode dar um salto na sua produtividade. Veja como aumentar o volume da sua produção adotando código de barras.
Como aumentar a produtividade usando um código de barras?
Embalagens personalizadas: entenda por que vai muito além do marketing
Embalagem personalizada: entenda por que vai muito além do marketing
4 Comentários
  • Boa noite!
    Procurei por dois dias o tipo de cod de barras ideal para meu produto,
    Qual seria ideal. ?
    São dois volumes que juntos foram um produto…exemplo: uma mesa que no transporte vai separado. ..
    Um tampo de vidro e a base, eles não podem ser embalados juntos se não fica muito pesado e mal embalado, nesse caso qual cod devo usar?

  • Olá, gostei muito do conteúdo! Apenas queria saber mais sobre a gestão destes códigos para quem está na indústria. Existe um software da GS1 que podemos utilizar?

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Seu nome*
Sua página da Web